sábado, 28 de abril de 2012

A Saga do Imperador - 02 - BCC Wars #1

parte 1 
Eu precisava descobrir o que estava sendo escondido de todo o curso de BCC. E esse algo estava escrito naquele celular! Algo muito obscuro estava acontecendo nos bastidores do curso, e Sergio Lisan era o mentor! Então reuni toda minha coragem e me aproximei dele seguido de Mary.
-Sérgio, me empresta teu celular rapidinho pra eu ver o número de Itamar?
-Beleza, vê aí. – disse isso e se voltou para algo que estava fazendo de costas para nós.
Olhei para Mary, e ela entendeu o que eu estava dizendo com a expressão: "precisamos ir para um lugar seguro!". No instante seguinte, quase institivamente, estávamos correndo para longe do suspeito pelos corredores e escadas do Centro de Convenções onde estávamos. Em condições normais, nos cansaríamos rápido, mas a adrenalina da situação não nos deixava esfriar no momento.
Quando Sérgio percebeu nossa fuga, já estávamos longe demais para ele nos alcançar. Então ele apenas virou-se para alguém escondido entre plantas decorativas com uma ordem no olhar. A pessoa misteriosa apenas saiu lentamente pelo lado oposto por onde fomos.
Quase ao fim de nosso fôlego nos deparamos com Dayanne Araujo entrando no prédio por uma porta lateral. Ao perceber nossa aproximação veio falar conosco:
-Oooooi! - disse cumprimentando Mary. - Como é teu nome mesmo?
-Day, não temos tempo a perder! - respondeu ela ignorando o cumprimento absurdo da garota. - Roubamos o celular de Sérgio que provavelmente tem algum plano secreto para BCC!
-Nossa! Então vamos mais para longe, aqui não é seguro!
Mas quando tentamos voltar a correr, um homem de paletó com máscara de palhaço entrou em nosso caminho.
-Devolvam o celular! - disse o mascarado.
-Corram! - gritou Dayanne antes de puxar um guarda-chuva da bolsa e jogar na cabeça do homem suspeito.
O homem caiu no chão desnorteado, mas se recuperou rápido e veio correndo atrás de nós. Porém ao virarmos à direita nos deparamos num corredor sem saída.
Agora éramos apenas nós quatro. Eu, Mary, Dayanne e o mascarado. E eu não tinha tempo a perder!
Desbloqueei o celular roubado (ainda daquele sistema Enter+#) e busquei a informação. Ao perceber o que eu estava fazendo, o mascarado puxou um punhal negro do paletó e veio em nossa direção. Nesse momento, achei algo suspeito nas notas do celular. Então eu li.
Era mesmo verdade!

Nenhum comentário:

Postar um comentário